• JFS Engenharia e Consultoria

O poder a auto responsabilidade





Você conhece aquela pessoa que adora “contar historinhas”? Elas adoram dar explicações detalhadas de tudo de ruim que acontecem com elas, culpando os outros, as circunstâncias ou a pura “falta de sorte” por seus fracassos e erros. Talvez esta pessoa esteja ali, dentro do espelho, não é mesmo?


É comum terceirizarmos a culpa dos nossos erros. Porém, o fato é que nós somos responsáveis pela vida que temos levado porque tudo o que acontece conosco é fruto dos nossos comportamentos, pensamentos e sentimentos, sejam coisas boas ou ruins.


O coach Paulo Vieira em seu livro “O Poder da Ação” diz que é necessário cultivar a “auto responsabilidade” e ensina 6 leis que nos ajudam a assumir a direção de nossa vida. Vamos a elas:


1. Não criticar as pessoas: ninguém critica outros pensando em ajudar. A tal da “critica construtiva” é um mito! Ao invés criticar, procure dar sugestões ou ideias de como a pessoa pode obter melhores resultados.


2. Não reclamar das circunstâncias: reclamar é colocar foco no problema e não na solução. Reclamar das pessoas é um jeito de mostrar a incapacidade delas e se fazer de superior e mais capaz. Seja grato, foque nos fatos e não se apegue a sentimentos e visões pessoais.


3. Não buscar culpados: quando culpamos os outros por tudo de ruim que nos acontece, ensinamos nosso cérebro que não adianta mudar ou fazer algo diferente se o resultado negativo é sempre culpa do outro! “Posso fazer o meu melhor mas o chefe, os políticos, o professor, o juiz ladrão vão colocar tudo a perder!”. Ao invés de achar culpados, encontre soluções, aliados e parceiros.


4. Não se fazer de vítima: se fazer de coitadinho é uma forma de chamar atenção e ter o carinho das pessoas, como fazíamos quando éramos crianças. Uma pessoa que só fala de seus sofrimentos e angústias terá a atenção passageira das pessoas e, no máximo, despertará nelas a pena e não admiração.


5. Não justificar seus erros: o medo do castigo na infância nos fazia negar a autoria da travessura. E assim crescemos negando ou justificando nossos erros. “Eu fiz isso porque o fulano me disse que era assim!”. Errar é humano e necessário para aprender. Um bebê cai muitas vezes antes de aprender a andar. Aceite que você vai errar; peça desculpas e admita seu erro; aprenda e corrija sua conduta.


6. Não julgar as pessoas: a pessoa auto responsável não julga as pessoas. Hoje elas erram e amanhã podem acertar. O fato de alguém errar com você - mesmo de propósito - não significa que ela seja má, desonesta ou calhorda. Ela pode estar num dia ruim. Julgue fatos e consequências, não pessoas. E aponte sempre como poderia ser melhor.


Em nossa empresa procuramos cultivar a auto responsabilidade nos projetos e nos relacionamentos. O crescimento individual dos membros da equipe, seja nos hard skill ou nos soft skills, traz melhoria e sinergia para todo o time e para o ambiente de trabalho. Claro, não estamos isentos de falhas. Mas, quando focamos no problema e na solução e não nas pessoas, tudo fica mais fácil e leve.


E você, pratica a auto responsabilidade?

8 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo